sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Kramer versus Kramer


Mary Louise Streep nasceu em 22 de junho de 1949 em New Jersey (EUA). É atriz de teatro, televisão e cinema - uma das mais premiadas de todos os tempos. Sua primeira participação no cinema foi em "Julia", de Fred Zinnemann, ao lado de Jane Fonda e Vanessa Redgrave.

A fama chegou com os filmes "O franco-atirador" e "Kramer vs. Kramer", ao lado de Dustin Hoffman. Este último filme lhe deu seu primeiro Oscar, de melhor atriz coadjuvante.

Seu desempenho artístico ainda lhe concedeu o Oscar de melhor atriz, em 1982, por sua participação em "A escolha de Sofia", além de seis Globos de Ouro, dois prêmios do Sindicato dos Atores, dois Emmys e um BAFTA. Meryl Streep foi indicada 15 vezes ao Oscar.

Streep estudou música, arte dramática e ópera na Universidade de Yale. Depois de acabar os estudos, trabalhou no Theatre Repertory Company, de Phoenix. Na televisão, atuou pela primeira vez na série "Holocausto".

Entre seus principais filmes estão "A mulher do tenente francês", "O retrato de uma coragem", "As pontes de Madison", "O diabo veste Prada" e, dentre os mais recentes, "Mamma Mia!", adaptação do famoso musical com canções do grupo ABBA. 
Militância

Atriz original, ela soube alternar com inteligência seus papéis, utilizando sempre sua facilidade para imitar sotaques e alterar seu aspecto físico.

Filha primogênita de um executivo da indústria farmacêutica, Streep foi educada na fé batista e começou a estudar arte dramática no Colégio Universitário Vassar.

Admiradora de Katherine Hepburn e Simone Signoret, Meryl nunca se considerou uma estrela. Aprecia a vida simples, faz suas compras em supermercados, cozinha para toda a família e atende a todas as chamadas telefônicas.

Meryl é feminista, pacifista nata e uma das principais militantes contra o aquecimento global.

Em 2009, foi novamente indicada ao Oscar de melhor atriz, por seu trabalho em "Dúvida", dirigido por John Patrick Shanley.


Fonte: El País

2 comentários:

  1. rosane zamberlan belle26 de fevereiro de 2012 06:31

    Amigo,
    Gosto muito da atuação da Meryl...tem filmes memoráveis.
    O que me marcou muito foi A ESCOLHA DE SOFIA.
    Tomara que seja agraciada com mais um Oscar.

    Abraços amigo.

    Att.
    Rosane Zamberlan Bellé
    Professora Tutora a Distância
    Tecnologia em Gestão de RH
    Anhanguera - Uniderp Campo Grande/MS
    rosanebelle@gmail.com

    ResponderExcluir
  2. Uma mulher que não se tornou a grande atriz que é, apenas por instinto ou coragem. Meryl é uma mulher qualificada, preparada, estudada e, portanto, mais que pronta a enfrentar toda diversidade de papéis que lhe entreguem ou entregaram.

    Nunca foi à toa que recebeu tantos e tantos premios de diversas espécies e, no entanto, a Academia de Hollywood, que é o Orgão mais indicado para lhe presentear com o que merece de fato, apenas lhe condeceu este premio não mais que duas vezes em mais de 15 indicações.

    Streep é uma atriz e mulher de uma inteligencia anormal, de um dom de interpretação que chega a parecer que, ali ela não está fazendo um trabalho, ali o que ela faz é o que faz no seu cotidiano, de tão imperceptivel que é sua admirável e leve interpretação.

    Ver esta maravilhosa atriz interpretando é como se tomar aula de como se deve fazer a coisa, de como se comportar diante das câmares, com firmeza, frieza, com naturalidade, encanto, genialidade e muito mais; com um sorriso que contagia de tão doce e natural.

    Se ela tem uma cena séria, onde tem de explidir, ralhar, brigar, gritar, sua atuação mais parece uma dona de casa ralhando com quem precisa de uma correção, sem jamais parecer que naquele instante ela trabalha num filme e que tudo aquilo é uma interpretação.

    Suas atuações sempre são marcadas com presenças seguras e trabalhos merecedores de uma atenção extraordinária. E até que fazem isso, possivelmente para satisfazer à opinião publica. Isto porque, no momento da premiação, ou louros jamais caem em suas maravilhosas e merecidas mãos.

    Não dá para conjecturar mais o comportamento desta Academia. Mas dá para seguir falando desta atriz tão decantada, até por muitas e muitas de suas colegas de trabalho, também pela imprensa, por seus fãs, por toda uma geração que aprendeu a ter sensibilidade com os movimentos doces de Meryl em cena.

    A idade chega, e com ela um ponto cruxial no seu trabalho; um amadurecimento vitorioso, dotado de um perfil ainda mais cintilante e uma formação pessoal mais fortificada e de presença cada vez mais poderosa e marcante.
    jurandir_lima@bol.com.br

    ResponderExcluir