sábado, 21 de julho de 2012

BARBRA STREISAND – A Star Born


Ela é a mulher mais talentosa do planeta, pelo menos é o que parece. Barbra Streisand inspirou a realização do site Barbra Streisand Brasil e com certeza inspira milhões de pessoas a lutarem por seus ideais, crenças e sonhos. Uma das artistas mais consagradas do século, Barbra se auto entitulou como apenas uma "atriz que canta". As informações abaixo foram baseadas e retiradas do site "The Barbra Streisand Music Guide" e do livro "Barbra Streisand, sua vida". Aqui você saberá como começou a jornada desta atriz, cantora e diretora, com vocês: Barbra Streisand.

Ao longo de quase quatro décadas, ela consolidou uma das carreiras mais fenomenais da história do show business. Inspirou adulações delirantes e críticas amargas. Quebrou regras, pisou calos, e nunca desistiu. Foi cortejada por alguns dos homens mais bonitos do mundo, e ainda assim conseguiu manter sua vida íntima em segredo quase que absoluto. Barbra é com certeza uma das mulheres mais criativas, complexas, controversas e fascinantes do século XX. Seu nome de batismo era Barbara e mais tarde resolveu mudar para Barbra.


O seu primeiro disco se chamou The Barbra Streisand Album, ela ganhou em 1963 dois Grammy Awards. Um deles foi pelo Álbum do Ano e na época ela era a mais jovem concorrente do evento.
Barbra foi honrada com um Emmy Award e também com o Peabody Award pelo seu primeiro especial de televisão, My Name Is Barbra, em 1965. O programa lhe rendeu cinco Emmys. Durante a cerimônia , em 15 de Setembro de 1965, Barbra aparentando um certo cansaço, mas bronzeada e luminoza, conta uma piada: "Acho que correu um fio de minhas meias - brincou - Logo nesta noite!". O momento Emmy se repetiu 30 anos mais tarde com sua produção musical para televisão do seu show ao vivo (1994 - Barbra Streisand: The Concert), Barbra recebeu dois Emmys (diretos para ela) e mais três para serem divididos com outros membros da equipe de produção do especial.
O filme O Princípe das Marés foi o primeiro filme dirigido por Barbra a ser indicado ao prêmio de melhor direção diretamente do Directors Guild of America e do Academy Award nominations ao mesmo tempo. Barbra produziu, dirigiu e atuou nele.

"A Star Born" (Nasce uma Estrela), com Kris Kristofferson.

Sua estréia no cinema foi com o musical Funny Girl, em que ganhou um Oscar como melhor atriz em 1968. ComYentl em 1983, Barbra se tornou e primeira mulher a produzir, dirigir, escrever e atuar em um longa metragem.
Barbra Streisand foi a primeira compositora a ganhar um Oscar e isso aconteceu por sua música "Evergreen", o love theme do filme "Nasce uma Estrela" ( A Star is Born ). Ela foi nomeada novamente em 1997 como co-compositora da música "I Finally Found Someone", baseado no love theme do filme "O Espelho Tem Duas Faces" (The Mirror Has Two Faces).
Ela é a única artista que já recebeu TODOS os prêmios já existentes: Oscar, Tony, Emmy, Grammy, Golden Globe, Cable Ace e Peaboy Awards.
Barbra Streisand: The Concert, se tornou o maior evento musical visto da história da HBO. Ganhou o prêmio de Platina Triplo para video e um Disco de Platina Duplo para o cd. Ganhou também 5 Emmys, o Peaboy Award e 3 Cable Ace Awards.
No dia 1° de Julho de 1998, Barbra se casou com o ator e diretor James Brolin. Barbra diz que nunca foi tão feliz como agora, dedicou um álbum em homenagem ao seu amor por James e declara que agora seu objetivo é curtir a vida ao lado do seu grande amor.

MAIS SOBRE A PREMIADA BARBRA STREISAND

Um comentário:

  1. Sempre pareceu haver algo me separando de ver algum filme com esta estrela/cantora.

    Essa é a verdade; nunca a vi nem nas telas nem em qualquer show que fez.
    Possivelmente uma questão de simpatia ou de não ser muito fã de musicais (somente gosto de um deles que é Sete Noivas Para Sete Irmãos), nada mais. Nunca vi Cantando na Chuva, nunca.

    Ainda quando jovem vi alguns deles, já que era, como o faroeste, a tônica da época. Mas nunca me empolguei muito com este genero, alaém de odiar ver Fred Asteire rebolando ou dando aqueles passos deslizantes como se fosse o unico no mundo que pudesse e subesse fazer aquilo.

    Além do mais ele se achava genial demais, falando sempre mal de suas parceiraa, o que considero um ato cachorro.
    Mas ele fazia aquilo para ficar sozinho no sucesso, na apresentação, mostrar-se exemplo, o porrtea e que com ele ninguém acertava, porque ele era o melhor, o bom, o inatingivel.
    Até de Ginger Rogers ele falou, ela que foi uma de sua parceiras que muitos e muitos filmes fez com ele. O sujeito era detestável!

    Abomino este tipo de pessoa que se acha. E ele se achava muito, demais, exageradamente.

    Já o Kelly, sorria muito e mostrava-se um dançarino, mesmo que bom, muito primosoro e de dentes sempre arreganhados.
    Não acho que, para se dançar precise-se estar de dentaduras de dentes perfeitos, à amostra, como se os desejasse estar sempre a exibi-los.

    Talvez, por causas destes supostos icones, o genero musical me afastou da linha, onde apenas gostava de Howard Kell e Russ Tamblin, bons e sérios cançarinos, mas que nunca atingiram o patamar tão alto que os dois citados acima.
    jurandir_lima@bol.com.br

    ResponderExcluir